26 de mai de 2011

Gaspacho de lichias com vieiras crocantes


Numa das minhas odisseias masterchefianas (sim, fui apurada para o Casting final e agora tenho de provar que mereço a distinção!) e depois de umas quantas visitas a blogs à procura de coisas fresquinhas, empanquei aqui no blog Citron et Vanille, que eu adoro, e pus mãos à obra.

Fiz algumas alterações para adaptar aos meus gostos. Ando meia esquisita com o limão desde que descobri as maravilhas das limas. Fazem-me lembrar caipiroskas, Verão, férias, aaaaaaai!


Seria bom usar vieiras frescas. Até comprei uma no El Corte Ingles (custou-me os olhos da cara...mas ganhei uma conchinha muita gira) mas como estava numa de experimentar, usei umas
vieiras congeladas raquíticas que comprei no Modelo. Não gosto delas. Gosto de vieiras grandalhonas, para poder cortar fatias fininhas. Mas é o que há cá!

As lichias são deliciosas. Foi a primeira vez que cozinhei lichias frescas (também há em lata mas não tem nada a ver). Se eu fosse uma peça de fruta, acho que era uma lichia. Tirem as vossas elacções!


Rende: 2 doses

Tempo
: 20 minutos de manobras


Ingredientes:
  • 1 tomate grande
  • 1 pepino grande
  • 10 lichias
  • azeite (meti pouco)
  • sumo de meia lima
  • sal e pimenta
  • 8 vieiras raquíticas
  • Folhinhas de hortelã
Preparação:
  1. Descascar e cortar ao meio o pepino no sentido longitudinal. Picar uma das metades. Com a outra metade cortam-se tirinhas finas como esparguete, com um descascador de batatas. Reservar as tirinhas no frigorífico temperadas com sal e pimenta.
  2. Descascar as líchias, tirar o caroço e meter na Bimby (ou outra coisa qualquer que pique), juntamente com o tomate picado, o pepino picado, o azeite, o sumo de lima, sal e pimenta. Triturar tudo muito bem até ficar um creme homogéneo (velocidade 7 da Bimby).
  3. Verter o creme para tacinhas e reservar no frigorífico.
  4. Temperar as vieiras com sal e pimenta. Numa frigideira, aquecer um pouco de azeite e fritar as vieiras em lume médio, primeiro de um lado até ficarem castanhas, depois do outro. As minhas ficaram com uma textura crocante.
  5. Retirar as tacinhas e as tiras de pepino do frigorífico. Passar as tiras por água fria e absorver o excesso de água com papel de cozinha. Colocá-las no centro das tacinhas, de forma a que fiquem meias submersas no creme. Dispor as vieiras sobre o pepino, no centro. Picar hortelã e distribuir à volta das vieiras.
É muito fresco, ligeiramente adocicado. Muito bom para dias quentes!

21 de mai de 2011

Aproveitamento de sobras: Almôndegas de peixe com chips de batata doce e molho de caril



Calma aí, já sei o que estão a pensar! Almôndegas, chips de batatas...mas esta agora meteu-se a fritar?! Não posso! Nãaaao...hoje fui buscar a Actifry, que já estava parada há muito tempo. E estreei-me na batata doce frita...recomendo vivamente! Não se preocupem, tudo o que se faz na Actifry pode ser mais ou menos adaptado ao forno. Pode não ficar exactamente igual, mas parecido fica de certeza.

Ora estão a ver aquelas sobras de frigorífico que só irritam? Vai tudo Bimby abaixo e almôndegas de sobras na mesa! E aqui vale tudo: só importa que consigam moldar as bolas. Metam-lhe o que quiserem. Já sabem a minha relação com farinhas e puré de batata (normal)...por isso fiz uma mistela com claras de ovo, pimento picado, meio abacate, bastante peixe. As almôndegas ficaram bem boas, nada secas!

Quanto à batata doce, já merecia o seu tempo de antena. Eu sempre desde pirralha que adoro batata doce, principalmente assada no forno de lenha, assim suada, doce doce doce e amarelinha. Mas sempre achei que devia ser uma pequena bomba até há uns largos meses atrás. O índice glicémico da batata doce é bem mais baixo que o da batata normal (e do arroz branco e da massa e do pão branco) e até é ligeiramente mais baixo que o da aveia. Além disso, tem quantidades industriais de vitamina A. Todas as semanas cozo uma Bimby de batata doce, ao vapor. Ou faço puré, ou muffins, ou como-a às rodelas às refeições, ou ao pequeno-almoço ou lanche...é o que calha!

Rende: 3 porções
Tempo: 15 minutos de manobras + 40 minutos de Actifry
Informação nutricional(almôndegas e molho): 300 kcal, 8 g hidratos de carbono, 38 g proteínas, 31 g gordura, 5 g de fibra

Ingredientes:
  • Sobras de peixe cozido ou assado (devia dar uns 400 g, mais ou menos)
  • meia cebola
  • 2 dentes de alho
  • cebolinho
  • meio abacate
  • meia chávena de claras (umas 3 claras XL)
  • pimenta
  • sementes de linhaça trituradas
  • 1 iogurte grego
  • sumo de uma lima
  • 2 colheres de chá de pasta de caril
  • meio pimento
  • uma batatorra doce grande
  • colorau e açafrão, sal fino, uma colher de sopa de azeite
Preparação:
Batata doce
  1. Cortar às rodelas muito fininhas (1-2 mm) com uma mandolina (ou faca, com cuidado).
  2. Azeite, colorau, açafrão e sal fino para cima e vai à Actifry durante 25 minutos (ou forno médio).
Almôndegas
  1. Enquanto as batatas assam (ou fritam), numa picadora ou Bimby, triturar o peixe, a cebola, o alho, o abacate, o cebolinho e o pimento. Eu meti tudo lá para dentro e dei-lhe velocidade 7.
  2. Temperar com pimenta e juntar as claras. Mexer bem.
  3. Fazer bolinhas grandes. Meter as sementes de linhaça trituradas num prato e rolar as bolinhas por elas, de forma a que fiquem completamente revestidas.
  4. Quando as batatas saírem da Actifry, meter as almôndegas (sem pás, com uma forminha no centro) ou no forno até ficarem castanhinhas.
Molho
  1. Misturar o iogurte com o sumo de lima e a pasta de caril. Refrigerar até as batatas e as almôndegas estarem preparadas.

19 de mai de 2011

Lanche low carb: panquecas de côco e ricotta com iogurte grego e amoras


E foi assim, em duas panadas, que acabou de ser o meu lanche. Recomendo! As panquecas são muito fofinhas, alimentam e dão energia para uma hora de estudo e outra hora e meia de treino de ombro e costas...um dia escrevo um post sobre a "Silly Season" e os ginásio entre Abril e Agosto. Mas vou guardar as ganas para outro dia...este tema anda-me entalado!

Rende: 1 porção
Tempo: 5 minutos
Informação nutricional: 245 kcal, 9 g net carbs, 16 g proteína

Ingredientes:
  • 2 colheres de ricotta com pouca gordura
  • 1 colher de sopa de côco ralado
  • 2 claras
  • 1 ovo
  • 1 colher de chá de óleo de côco
  • adoçante a gosto
  • 1 colher de sopa de iogurte grego
  • meia chávena de amoras congeladas
Procedimento:
  1. Numa tigela, misturar a ricotta, as claras, o ovo, o côco e o adoçante com um garfo. Mexer bem até ficar homogéneo.
  2. Aquecer uma chapa, deitar um pingo de óleo, limpar com um guardanapo e verter a massa. Deixar cozinhar SÓ DE UM LADO, em lume baixo. Enquanto isso, meter as amoras congeladas 1,5 minutos no microondas na potência máxima.
  3. Transferir a panqueca com cuidado para um prato, espalhar o iogurte grego e dispor as amoras por cima.
Esta panqueca...só experimentando vão ver como é boa! :P

18 de mai de 2011

Bolo de chocolate com baixo índice Glicémico


Este bolo foi uma boa descoberta! Vi-o no blog da Joana e achei que ia ser um grande passo para a minha vida! Adaptei algumas coisas e ficou bom na mesma. Comer um muffin de chocolate como quem come uma maçã é qualquer coisa especial. Ora vejam a informação nutricional:

Rende: 5 muffins
Tempo: 5 minutos de manobras + 20 minutos de forno
Informação Nutricional: 100 kcal, 8 g net carbs, 12 g proteína

Ingredientes:
  • meia chávena de farelo de trigo
  • 1/3 de chávena de aveia em flocos
  • meia chávena de claras pasteurizadas (equivale a umas 3 claras de ovos XL)
  • 1/3 de cacau magro em pó
  • adoçante a gosto (usei 30 g de açúcar light)
  • 2 colheres de chá de fermento
  • 1 scoop de proteína de chocolate
  • 1/4 chávena de iogurte grego (era suposto usar 0%, que só se vende no El Corte Inglês, mas enganei-me e trouxe dos normais. O importante é não ter açúcar. Os da Danone estão carregadinhos dele)
  • 1 chávena mal cheia de água
Preparação:
  • Eu juntei tudo e dei-lhe bimby. Podem também juntar todos os secos, depois todos os "húmidos" excepto a água e finalmente, aos poucos ir adicionando a água até ficar com uma boa consistência.
  • Vai a forno pré-aquecido a 180º até estar cozido (mais ou menos 20 minutos).
Servi com iogurte grego e doce de frutos silvestres.

Link

17 de mai de 2011

Segredos de bacalhau com salada fria de courgette e quinoa grelhada


Esta foi outra ideia para levar para o casting do Masterchef, daí a apresentação toda pipi! É uma nova versão da Punheta de Bacalhau, mas com um nome menos chocante! O bacalhau é cru, depois de demolhado várias vezes para perder o sal, a cebola quer-se muita (mas não em demasia) e muito fina, o alho laminado muito fino e as courgettes marinadas durante uma noite num vinagrete picante e grelhadas numa chapa. Serve-se bem frio, gelado, e que bem que sabe!

Rende: 2 porções

Ingredientes
:
  • 1 posta grande de bacalhau demolhado
  • 1 cebola grande
  • 4 dentes de alho
  • 1 folha de louro
  • pimenta em grão
  • 1 malagueta seca
  • sal, azeite, vinagre
  • Quinoa já cozida conforme as instruções da embalagem (pode substituir por couscous se não tiver)
  • 1 courgette grande ou 2 médias
  • cebolinho
Preparação:
  1. Na noite anterior, fatiar a courgette em lâminas de 1 mm com uma faca ou mandolina. Deixar a marinar numa tigela com azeite, 2 dentes de alho partidos ao meio, vinagre, sal, pimenta em grão, uma malagueta seca fatiada, a folha de louro.
  2. No dia seguinte, escorrer as courgettes do molho da marinada, aquecer uma chapa e grelhá-las de cada lado, até ficarem douradas e sequinhas.
  3. Deixá-las arrefecer e reservar umas horas no frigorífico.
  4. Cortar as postas de bacalhau em lombos fininhos de forma rectangular. Numa tigela misturar o bacalhau, a cebola fatiada finamente (usar a mandolina ou uma faca), os dois dentes de alho laminados fininhos e temperar com azeite e vinagre. Juntar o cebolinho picado e envolver.
  5. Empratar: dispor o bacalhau no centro e as fatias de courgette na periferia, com a quinoa já cozida.

15 de mai de 2011

Receita pré-casting Masterchef - Ceviche de polvo em cama de mousse de abacate e batata doce



Hoje foi o pré-casting do programa Masterchef, em Lisboa. O desafio era fazer uma refeição principal fria, mantê-la refrigerada numa geleira, e levá-la para lá. Depois de alguns ensaios que postarei mais tarde, muita pesquisa, algumas experiências, muitas horas pacientemente a testar misturas de sabores (principalmente para a mousse), muitas visitas ao hipermercado para trazer duas ou três coizecas que faltavam, seleccionei esta receita, que não só reunia pelo ceviche a frescura, ligeira acidez e aroma como a textura cremosa e...modéstia à parte, irresistível da mousse.

A mousse é mesmo especial. Aconselho a experimentarem! E fica mesmo bem fria, servida neste tempo. O acompanhamento ideal talvez seja mesmo peixe. E com o polvo contrasta muito muito bem.


Rende: 2 doses

Ingredientes:
  • Meio polvo já cozido, tenro mas não muito mole (água, sal e cebola numa panela de pressão, uma meia hora)
  • 1 cebola roxa
  • ramo de salsa
  • cebolinho
  • 1 abacate bem maduro
  • 2 batatas doces grandes
  • 1 colher de sopa de queijo de cabra fresco
  • 1 colher de sopa de queijo creme light (tipo philadelphia)
  • sal fino, pimenta moída na hora, noz moscada
  • sumo de 4 limas
  • sumo de meio limão
  • sumo de uma laranja bem doce
  • 2 colheres de sopa de óleo de linhaça (ou azeite)
Preparação:
  1. Descascar as batatas, cortar em fatias grossas. Num tacho, pôr água a ferver e cozer a batata doce até estar bem cozidinha.
  2. Enquanto a batata coze, cortar os tentáculos do polvo em fatias enviesadas fininhas. Reservar numa tigela.
  3. Na bimby (ou com uma varinha mágica), triturar bem a batata doce. Descascar o abacate, cortar em pedaços e juntar ao puré de batata doce. Triturar bem. Repetir o procedimento até estar cremoso. Usei a velocidade 7 da Bimby, repetindo várias vezes e descendo com uma espátula o puré que ficava nas paredes do copo.
  4. Juntar ao puré o queijo de cabra, o queijo creme e temperar com sal (pouquinho) e noz moscada (pouquinha também). Envolver bem. Aqui usei a velocidade 4.
  5. Picar cebolinho e envolver. Misturar bem e reservar numa tupperware. Vai ao frigorífico umas 4 horas até ficar bem frio.
  6. Para o polvo: com uma mandolina (ou uma faca, com cuidado) cortar fatias muito finas de cebola. Juntar os sumos das limas, limão e laranja.
  7. Picar salsa e cebolinho. Juntar e envolver. Temperar com sal ao vosso gosto (o polvo já tem sal, atenção) e o óleo ou azeite. Envolver bem e vai ao frigorífico refrigerar um pouco.
Fiz um pratinho muito bonito com cebolinho, cebola e vinagrete. E o resultado foi este!

5 de mai de 2011

Veggie Smoothie para o lanche


Aqui está o resultado do lanche de hoje! Este smoothie levou:
  • 1 scoop de proteína de chocolate
  • quase uma chávena de frutos vermelhos congelados
  • sementes de chia
  • maca em pó
  • 1 mão cheia de espinafres
  • 1 chávena de leite de amêndoa
E para o leite de amêndoa façam assim:
  1. Pôr um tacho pequeno ao lume e escaldar as amêndoas. Pelá-las de seguida.
  2. Tudo para dentro da bimby ou misturadora. Adicionar água. (Junto 6 dL de água para 125 g de amêndoa).
  3. Triturar tudo muito bem. Re-re-retriturar.
  4. Passar por um coador muito fino ou por uma pano fininho.
  5. Coar outra vez se quiserem.
  6. Adicionar essência de baunilha e adoçante. Reservar no frigorífico. Aguenta uns 4 dias.
Não deitem fora a amêndoa triturada! Podem fazer sobremesas com ela ou meter nas papas de aveia do pequeno-almoço!

4 de mai de 2011

Biscoitos de côco

Este fim-de-semana era preciso atestar o famoso frasco dos bolos lá de casa e fui eu que fiquei com essa responsabilidade! Ainda por cima no Domingo foi dia da mãe e a minha adora côco...estes bolos eram a cara dela!

A receita retirei-a deste blog. Fi-la tal como está aí e saíram muito bem. Também foi a primeira vez que usei o dispara-biscoitos sem fazer porcaria. Sim, eu sou um pouco anti-tecnologia. E com muitas tentativas, lá cheguei à conclusão que é preciso encostar o dito cujo ao tabuleiro. Gozem, gozem! :p

E aqui está o pote mais invejado lá de casa:

São muito bons, não sabem demasiado a côco, são estaladiços q.b.. Aconselho!

3 de mai de 2011

Arroz doce proteico


Eu adoro arroz doce! Acho que é a minha sobremesa preferida! Gosto dele mais cremoso, não muito sólido, não demasiado líquido, mais branco e com menos açúcar. Mas já experimentei várias alterações: com farinha custarda, com pudim, com leite creme, com leite de côco, com leite condensado, com amêndoa, com claras em castelo, e por aí...

Na verdade o meu preferido é o tradicional. A sugestão de hoje é uma sobremesa muito parecida com o arroz doce, com menos de metade das calorias, mais do triplo das proteínas e com muito menos hidratos de carbono. O sabor não é o mesmo porque esta receita sabe mais a baunilha, mas a textura é muito semelhante. Experimentem e digam-me o que acharam!

Rende: 3 doses elegantes
Tempo: meia hora
Informação nutricional: 110 kcal, 13g HC, 11 g proteína, 1 g de gordura (sem margarina)

Ingredientes:
  • 1 scoop whey de baunilha
  • 1 chávena e meia (350 mL) de leite magro
  • 80 g de arroz integral previamente cozido
  • canela em pó
  • 1 pau de canela + casca de meio limão
  • 1 colher de sopa de margarina (não usei)
  • adoçante a gosto
  • 1 colher de chá cheia de farinha custarda
Procedimento (eu usei o microondas mas podem usar o fogão, desde que tirem do lume e deixem arrefecer antes de adicionar a whey)
  1. Num recipiente de ir ao microondas, colocar o arroz, a margarina, as cascas de limão, o pau de canela e 3/4 do leite. Programar 20 minutos na potência alta e vigiar uns tempos. Se o leite começar a subir, baixar a potência. Eu precisei de baixar no meu, mas isto deve variar consoante o microondas.
  2. Se continuar muito líquido, programar mais 5 minutos, até boa parte do leite tenha secado mas haja pelo menos um centímetro de leite acima do arroz (porque quando se adiciona a whey a mistura fica mais espessa).
  3. Num copo, juntar a whey e a custarda com o leite restante e misturar muito bem com uma colher. Retirar as cascas de limão e o pau de canela do arroz.
  4. Juntar esta mistura ao arroz, mexer bem, adicionar adoçante se quiserem. Distribuir por três tacinhas, deixar arrefecer e polvilhar com canela!

2 de mai de 2011

Bolo de limão arrebatador







Este bolinho piscou-me o olho assim que o vi no blog No Soup for You. E como tive um fim-de-semana descansado, decidi fazê-lo e levar para um jantar de aniversário de um amigo. Arrependi-me de não ter levado algo mais chocolatoso, cremoso, bolachoso e de não o ter deixado ficar em casa, pois houve quem quase chorasse quando o viu numa travessa de papel metida numa tupperware, pronta a transportar.

Aprendi uma lição. Para amigos: chocolate, leite condensado, bolachas e natas; para família: tartes e bolos de fruta, bolos secos e bolachas.
Mas estava tãaaaaao bom! A cobertura é maravilhosa e as raspas de limão com os grãozinhos de açúcar contrastam com uma massa fofa e pouco doce. Morninho é ainda melhor. É difícil de descrever a sensação, mas as minhas papilas gustativas bateram palmas e cantaram! Demorou-me meia tarde ao todo, entre deixar fermentar e cortar, recortar e re-recortar mas vale bem a pena!

Como fiz tal e qual, deixo-vos o link do blog português:
http://nosoup-foryou.blogspot.com/2009/04/bolo-de-limao-arrebatador.html A receita original é do livro Baking for all occasions e está no blog No Special Effects.

E obrigado Gasparzinha por divulgares esta receita maravilhosa!



Link

1 de mai de 2011

CatHummus com pimentão vermelho




Depois de ter visto tantas vezes em blogs, livros de culinária e revistas, fiz o meu primeiro hummus! E não preciso de experimentar mais vezes para ficar completamente rendida!! É muito bom fresquinho, com bom pimentão vermelho, com sal grosso para trincar as pedrinhas! Sim, sal é mau, é. Mas eu até prefiro não pôr sal nenhum na comida mas pôr um bocadinho a mais no hummus. Fica óptimo!

O pimentão vermelho fica muito bom. Eu tenho sorte de viver na aldeia e ter acesso a coisas verdadeiras com sabor verdadeiro. Este pimentão não se compara àqueles de compra das marcas comuns. É nestas pequenas coisas que se nota a diferença!

O grão é outra questão. Existe um blog que eu adoro, o Eating Bird Food, em que a autora explica qual é o segredo para um hummus suave e cremoso, com uma textura diferente. O segredo consiste precisamente em pelar o grão. É trabalhoso, mas compensa. Se usarem grão de lata, dêem-lhe uma fervura e tirem pelezinha a pelezinha. Eu tenho a sorte de ter uma mãe que coze grão aos quilos e congela em saquinhos de doses pequenas. É só descongelar um e pelar grãozinho a grãozinho. Mas de grão a grão enche a menina o papo! ihih

Rende: 10 doses (uma colher de sopa cheia)
Tempo: 5 minutos (depois de cozido e pelado o grão)
Informação nutricional: 120 kcal, 16 g HC, 5 g proteína, 4 g gordura

Ingredientes:
  • Sumo de um limão
  • sal grosso
  • pimenta branca
  • pimentão vermelho
  • 300 g de grão cozido pelado
  • 1 colher de sopa cheia de tahine (pasta de sésamo)
  • 1 colher de sopa de azeite
  • 1 colher de sopa de óleo de sésamo (ou substituam por outro ou por azeite. Eu usei óleo de linhaça)
  • Sementes de sésamo para decorar
  • 1 dente de alho grande
  • Água q.b. (consoante a consistência que pretendem)
Procedimento:
  1. Numa picadora (eu usei a bimby) colocar todos os ingredientes excepto a água.
  2. Picar bem (velocidade 4), fazendo baixar os restos com uma espátula e voltar a picar até ficar bem homogéneo.
  3. Juntar água se desejar. Eu juntei duas colheres de sopa de água. Misturar novamente.
  4. Guardar num frasco no frigorífico. Servir salpicado com pimentão vermelho e sementes de sésamo.
Aconselho!!!